MULHERES E AS CIDADES (AS)

MULHERES E AS CIDADES (AS)

11213-R-LL


CASTRO (Augusto de).— AS MULHERES E AS CIDADES. Emprêsa Literária Fluminense, Lda. Lisboa. S.d. 11,5x19,5 cm.  197-III págs. E.

“Viajar e amar não é para todos a mesma coisa. Nós nunca amamos uma criatura humana: amamos sempre a ilusão que em nós próprios formamos dessa criatura. Da mesma forma, para aqueles espíritos que possuem o dom sugestivo e vagabundo de evocar, viajar é passear pelo mundo real um mundo imaginário (...). São os homens que fazem a cultura duma raça — mas são as mulheres que fazem a civilização dum povo. A alma das cidades é sempre uma alma feminina. E em cada uma delas, velhas ou novas cidades, loiras como Florença, morenas como Sevilha, um olhar de mulher sorri, soluça, se entrega ou se recusa ao nosso olhar errante, ao nosso olhar ardente, ao olhar amoroso que a procura. Simplesmente, as cidades, como as mulheres, só se dão, não àqueles que as amam — mas àqueles que as sabem amar. E, como acontece no capricho eterno dos amores humanos, entre as cidades como entre as mulheres, as mais belas não são as mais amadas (...)”

Primeira edição de um dos mais interessantes livros de Augusto de Castro.

Encadernação In-Libris Officina,  inteira de pele com gravação a laser e policromia rebaixada na pasta da frente e gravação a seco na pasta traseira. Preserva a capa da frente da brochura original.