Demarcações Pombalinas no Douro Vinhateiro

17554-L22


FONSECA (Alvaro Baltazar Moreira da), — DEMARCAÇÕES POMBALINAS NO DOURO VINHATEIRO. (1949-1951). Edição do Instituto do Vinho do Porto. 3 vols. 18,5x24,5 cm. B.

“Foi em 1939, quando procedíamos, acompanhados pelo Regente Agrícola Manuel Alves Soares, a estudos ampelo-geográficos da Região Demarcada dos Vinhos Generosos do Douro, que deparámos com os primeiros e autênticos marcos pombalinos. São pesadas pedras, grosseiros padrões, carreados por vezes e não sabemos como, de léguas de distância para lugares ermos, quase inacessíveis, ùnicamente para atestarem no espaço e no tempo a desvelada protecção e o carinho que a defesa daquela zona privilegiada — a FEITORIA — merecia aos nossos governos! Já os homens desse tempo se haviam claramente apercebido do valor que os vinhos produzidos em tão ásperas e selváticas encostas representavam para a economia da Região e riqueza do País! (...)” — retirado de Breves Palavras.

Edição original, profusamente ilustrada incluindo vários mapas (a negro e cores) desdobráveis, fotografias “da autoria do consagrado artista Sr. Álvaro de Azevedo, da Fotografia Alvão” , também algumas delas desdobráveis. Inclui ainda desenhos de Joaquim Mirão.

 

 

 

(Homenagem  da Junta de Freguesia de Peso da Régua ao Marquês de Pombal que em 1756 estabeleceu as demarcações no Douro Vinhateiro — Imagens não incluídas na obra.)