Jorge Martins. Gravura. Água-Forte s/ papel

Jorge Martins. Gravura. Água-Forte s/ papel

JM001
  • 150,00 €


Tiragem limitada a 50 exemplares de que este apresenta o nº 38. Preservado em moldura de madeira cor natural, clara.

Dim. da moldura 59x50cm. / Dim da mancha gravada 37x28cm.

 

"O início da obra de Jorge Martins caracteriza-se por uma opção abstratizante, de formas planas e desenho rigoroso, que irá evoluir para um idioma próximo do abstracionismo lírico onde as formas se dissolvem "numa sugestão atmosférica".

A década de 1960 torna-se crucial para a afirmação do seu percurso artístico; em Paris a sua obra evolui para um tipo de figuração a que não é estranha a influência da arte Pop e mais ainda da sua contemporânea francesa, o Nouveau réalisme (mas a que também não serão totalmente alheios os dispositivos formais e o universo enigmático de Magritte); João Pinharanda assinala ainda o discurso estruturalista como outro polo determinante do "vasto manancial de informação erudita" que informa a sua prática artística .

As pinturas de Jorge Martins povoam-se de elementos (corpos e, sobretudo, objetos), que ocupam o espaço da tela sem sentido de hierarquia e onde "o tempo parece suspenso"  (veja-se, por exemplo, Harém míope, 1969). É nessa época que elege a luz (numa integração heterodoxa das "investigações do minimalismo, nomeadamente o interesse pela luz, de James Turrell a Dan Flavin" ) , "como elemento agregador das suas investigações, [...] que se torna o próprio tema de representação: a fonte de luz; a luz como presença imanente do suporte; a superfície da tela enquanto produto dos efeitos da luz; as cores como objeto de jogo entre a luz e a sombra; a luz como modeladora dos objetos" . "Da representação dos seus efeitos ilusórios ou dos jogos sempre reinventados com a antípoda sombra, recorrendo com frequência a um tromp l’oeil muito particular, o artista reinventa o espaço, os objetos, a sua imagem" .

"No final dos anos de 1970, surge na sua pintura um contraste entre a tela crua e as superfícies coloridas, dobradas e recortadas" , numa viragem abstratizante onde apesar de tudo continua presente a "pendularidade figuração/abstração" . Desde esses anos a palavra é integrada na obra enquanto fragmento de significação; o texto, frequentemente inserido nas imagens, "cria um corpo estranho exigindo um novo motivo de atenção. O texto é para ler e para ver – tem um duplo valor, visual e textual, a ideia e a sensação da pintura acrescenta-se (não se ilustra) com a ideia e a sensação da escrita. […] Os textos são suplementos de informação quer intelectual quer visual: estão ali por razões plásticas, cumprindo um destino visual; estão ali por razões eruditas, esclarecendo uma orientação temática. Criam evidentes deslocamentos entre as duas fronteiras" , evitando o caráter restritivo da ilustração.

De seguida "o pintor autonomiza os elementos da cor, condu-los por devaneios abstratos, libertos da palavra e da figuração direta da luz – foi o que tornou a sua pintura dos anos 80 uma solução quase musical"  (ver por exemplo Sem título, 1984, 240 x 170 cm, coleção do CAMJAP, FCG). O seu sistema visual radica-se numa técnica meticulosa onde parece simular os efeitos normalmente obtidos através da colagem. "O ascetismo patente nestes trabalhos, linhas luminosas que estão sempre em minoria face à tela neutra […] encontra-se associado a um conjunto de decisões materiais que envolvem uma suspensão"; nesse trabalho de depuração, "elimina tudo o que não lhe parece necessário. […] Dispensadas as alusões, é a própria matéria (a cor), concisa e dotada de texturas […] que se apresenta diante do espectador".

Em anos posteriores assistimos ao regresso da figuração. As suas pinturas evocam objetos, figuras, sombras, "abstratizam os espaços, confundindo exterior e interior, insistindo no cruzamento entre representação objetiva e subjetiva" [12]. As personagens evocativas esquematizam-se, deformam-se ou desvanecem-se em simples silhuetas, ou sombras; "há um pessimismo essencial nesta história de seres humanos desencontrados uns dos outros, porque desencontrados de si" [13]. Enigmáticos, intemporais, os objetos ganham o "peso da eternidade, […] são possuidores de formas e significados que os transportam para além da contemporaneidade" [14]. "Cada forma existe agora na tela como uma escultura, como um objeto, como um edifício, como uma montanha. Apenas um elemento parece suficiente para sustentar a materialidade destas formas: as regras de iluminação das imagens. Tudo o resto parece desviado da sua funcionalidade original: as montanhas, os edifícios, os objetos são apenas modelos de montanhas, de edifícios e de objetos; trocam e desprezam escalas, repetem-se de tela para tela em circunstâncias diversas e mesmo opostas" , como acontece, por exemplo, em White Dream, 1991-97.

Atravessando todas as fases da sua obra (e alvo de apresentação extensiva em 2013), o desenho plurifacetado de Jorge Martins pode ser visto como um "lugar poroso, aberto a toda a sorte de códigos e rumores visuais (do cinema à fotografia, do design gráfico à pintura). [...] Nessas imagens ouve-se, por vezes, o eco de uma luz cinematográfica, a experiência de uma escultura minimalista ou uma frase usurpada à teoria ou à literatura que é visualmente confrontada".

Jorge Martins dedicou-se também à ilustração, participando, por exemplo, em obras de Luiza Neto Jorge (1972), Nuno Júdice (1986), José Gil (1990), Maria Alberta Menéres e António Torrado (O Livro das Sete Cores, 1984, que lhe valeu a atribuição do Prémio Gulbenkian de Ilustração de Literatura Infantil)."

Fonte: Wikipédia .pt