NOVO DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA

20517-L2


FARIA (Eduardo de).— NOVO DICCIONARIO DA LINGUA PORTUGUEZA. O mais exacto e mais completo de todos os Diccionarios até hoje publicados. Contendo todas as vozes da lingua portugueza, antigas ou modernas, com as suas varias acepções, accentuadas conforme a melhor pronuncia, e com a indicação dos termos antiquados, latinos, barbaros ou viciosos. Os nomes proprios da geographia antiga e moderna. Todos os termos proprios das sciencias, Artes e officios, etc. e sua definição analytica. Seguido de um DICCIONARIO DE SYNONYMOS por Eduardo de Faria. Terceira edição. Lisboa Imprensa Nacional. 1855-1857. 22x32 cm 2 vols. E.

“Um Diccionario é uma obra indispensavel para todo aquelle que quer conhecer a fundo a lingua d’uma nação; fórma a primeira e mais sólida base de toda a literatura, e augmenta a gloria literaria d’um paiz. Foi o desejo de ser util, e de prestar um serviço á minha patria, que me resolveu a emprehender esta ardua e espihosa tarefa, que de certo saíria mais perfeita sendo emprehendida por mais abalisados engenhos: porém com zêlo, actividade e estudo espero que supprirei a falta de forças (...) Reuni todos os Diccionarios Portuguezes que pude alcançar, e tomando por base o melhor de entre elles, acrescentei-lhe todos os termos que não continha, e que achei nos outros, desenvolvi-lhe as explicações onde me pareceu necessario, cortando todas as que julguei superfluas, e mostrei todas as accepções em que podiam ser tomadas. Recorri aos Tratados mais modernos de sciencias e artes, dos quaes extrahi todos os termos que nõa achei mencionados nos Diccionarios; seria um erro omitir esses termos: ainda que não autotisados por classicos, elles são indispensaveis; são, como disse, a prova do moderno progresso das sciencias; além de que, são derivados do grego e do latim (...)”.— retirado do Prólogo da Segunda Edição.

Encadernações em pele, da época, um pouco cansadas. Folha de guarda do primeiro volume com falha de papel à cabeça e um carimbo, de posse,  a óleo que também se repete na primeira página de texto. Carimbo de posse, a óleo na folha de guarda do segundo volume.