LIRICA DE Q. HORACIO FLACO (A)

LIRICA DE Q. HORACIO FLACO (A)

19525-L2
  • 175,00 €


HORÁCIO.— A LYRICA DE Q. HORACIO FLACCO, poeta romano, trasladada literalmente em verso portuguez por Elpino Duriense. Lisboa, Na Impressam Regia. Anno 1807. 11x18 cm.  2 vols. IX-I-227-I e 299-V págs. Enc em I

“Damos huma nova Edição das Lyras de Q. Horacio Flacco, Poeta Latino, e hum dos mais polidos Escritores do Seculo Augusto, o qual com feliz engenho soube ferir na sua cithara todos os sons harmoniosos de Pindaro, de Alcéo, de Sappho, e de Anacreonte; que lhe fez primeiro que nenhum outro ressoar na Italia; porque ouvir Horacio, he ouvir todas as Musas e Graças da Lyra Grega. Esta obra não necessita para seu abono de nossos elogios; porque havendo passado com inteira reputação e gloria pela leitura de todas as Nações cultas, e pela prova de dezoito Seculos, traz vinculado comsigo o sello da pública approvação, com que foi coroada por Senhora da Lyrica Romana: e se ainda assim  a quizessemos exalçar, que louvor achariamos na eloquencia, que não viesse sempre estreito para ella? Bastará pois dizer á estudiosa Mocidade Portugueza, para quem unicamente preparamos esta Edição, que ela achará nesta obra hum riquissimo thesouro de Latinidade, de Historia, de Eloquencia, e de Poesia; (...)”.— retirado de Prefação.

Tradução devida a Elpino Duriense, nome arcádio do Dr. António Ribeiro dos Santos, (natural de Massarelos, “suburbios da cidade do Porto” 1745-1818, estimado por Inocêncio como "(...) um dos mais respeitaveis, eruditos e fecundos escriptores que Portugal produziu no século passado (...)", o século XVIII.

Obra de muito invulgar aparecimento no mercado.

Encadernação da época, em pele, acusando algum desgaste. Assinaturas de posse antigas, na folha de guarda e no verso do frontispício. Carimbo de posse, a óleo, no frontispício.