Tratado da Conservação da Saúde dos Povos — Ribeiro Sanches

21353-B1
  • 6.800,00 €


[SANCHES (Antonio Nunes Ribeiro)].— 'TRATADO' // DA // CONSERVAÇAÔ // 'DA SAUDE' // DOS POVOS: // 'OBRA util, e igualmente necessaria a os Magistrados, // Capitaens Generaes, Capitaens de Mar, e Guerra, // Prelados, Abbadessas, Medicos, e Pays de Fami-//lias: Com hum appendix// Consideraçoins sobre os Terramotos, com a // noticia dos mais consideraveis, de que fas mençaô a // Historia, e dos ultimos que se sintiraô na Europa desde o I de Novembro 1755. EM PARIS, E se vende em Lisboa, em casa de Bonardel e Du Beux, Mercadores de Livros. M. DCC. LVI.

Ribeiro Sanches (1699-1783) foi médico e filósofo português, notável pensador na Europa da época.Personalidade ímpar na renovação do ensino médico em Portugal. Filho de cristãos-novos, toda a vida foi perseguido pela intolerância religiosa. Jovem, frequentou o curso de medicina em Coimbra, mas rápidamente se fatigou do ambiente obscuro da escola portuguesa e partiu para Salamanca, onde obteve o grau de Doutor em 1724. Regressa, então, a Portugal, mas a sua estadia em solo nacional não seria duradoura: por denúncia de um primo à Inquisição por práticas de judaísmo, é obrigado exilar-se.

Em 1731, a pedido da imperatriz Ana Ivanovna da Rússia, Ribeiro Sanches, que havia sido recomendado à corte por Boerhaave, partiu para Moscovo, onde exerceu, durante 2 anos, o cargo de médico-chefe, instruindo barbeiros-cirurgiões, parteiras e farmacêuticos. Foi, mais tarde, em 1735, nomeado médico dos exércitos imperiais. Durante o cerco de Azov, observou que os doentes transferidos para locais arejados recuperavam mais eficazmente, e passou, desde então, a advogar a ventilação dos hospitais, princípio perfeitamente reconhecido e praticado actualmente. A partir de 1740, Ribeiro Sanches passou a desempenhar o prestigiante cargo de médico da corte. Embora não tenha conseguido salvar a imperatriz, muito cresceu a sua reputação, pelo facto de a autópsia ter confirmado o seu diagnóstico de pedras nos rins. (...) Ribeiro Sanches contribuiu, a pedido de D’Alembert e Diderot, para a Enciclopédia, e cedeu a Buffon importantes informações para a elaboração do 3º volume da sua História Natural. Em 1763, a imperatriz Catarina II da Rússia, concedeu-lhe brasão de armas e uma pensão, como forma de reconhecimento pelo facto de Ribeiro Sanches a ter salvo. Faleceu, em Paris, aos 84 anos, vítima de uma febre intermitente. Ribeiro Sanches foi o protótipo do intelectual do Século das Luzes e a sua vida representativa de um tempo em que a modernidade, apregoada nas suas obras, se debatia com o obscurantismo do tempo passado, visível nas perseguições religiosas de que foi vítima. Pela sua visão modernista e vivência cosmopolita, mais que um grande médico português foi um excelentíssimo cidadão do mundo.

Primeira edição muito rara, publicada sem nome do autor em Paris em de 1756.

Peça bibliográfica da mais alta importância para a história de medicina mundial.

PEÇA DE COLECÇÃO. Rara e de grande interesse para o mercado internacional.

____________________________________

Original full calf with gold lettering and tooling on spine. All edges red. Marbled endpapers. Decorative headpieces and initials. Remarkable 18th-century treatise on public health, written by the renowned Paris-based Portuguese philosopher of Jewish ancestry. This work also contains as an appendix considerations on earthquakes, with a notice of the most famous that are mentioned in history and of the last which was felt in Europe, Africa and America since the first of November 1755.

____________________________________

Com um pequeno corte de traça que perfura cerca de metade do volume mas que em nenhum caso impede a leitura do texto. Encadernação da época, decorada a ouro velho, na lombada.